Ansiedade Moral

with Sem comentários
“… O tempo em que vivemos, no momento, qualifica-se exclusivamente para a ansiedade moral. Em que outra hora poderia ser mais ansioso com a moralidade do que aquele em que estamos agora? (…) onde em nossa história estamos agora? (…) Este ano (no festival de cinema) havia poucos filmes que preocupariam o mundo em que vivemos e que ainda não entendemos, ainda temos sentimentos contraditórios sobre isso, informações contraditórias. Precisamos não apenas de uma explicação deste mundo, mas também de uma oportunidade de experimentar este mundo e conhecer o ponto de vista de outras pessoas além de nós.” Tomasz Raczek

Há exatamente cinco anos, eu era voluntário no Festival de Cinema de Gdynia. Certamente, ninguém esperava a realidade em que nos encontraríamos em cinco anos. Não havia tal visão mesmo em filmes de ficção científica. Por um ano e meio, o medo e a crença de que não podemos ter certeza de que nada tem escorado em nós. Ainda nos hospitais, as pessoas morrem de solidão, que são impedidas de partir para outro mundo nos braços de seus entes queridos. Ainda não temos certeza se estamos seguros quando descobrirmos o rosto. Ainda não sabemos em que acreditar. Ainda temos mais perguntas do que respostas em nossas cabeças.

Somado a tudo isso está o medo de tomar partido. Um sentimento permanente de manipulação e confusão espreme lágrimas de impotência. Há mais, poucas autoridades. A esperança de um retorno à “normalidade” está arruinada. Em conversas com entes queridos e distantes, aparecem temas tabu, e com eles emoções e palavras muito altas e mal consideradas lançadas, como uma navalha cortando os restos de fios que nos ligam uns aos outros.

Como sob a lupa,está cada vez mais claro quem é impulsionado pelo medo, quem vê esperança em nós – pessoas, e que tem paz de espírito confiando em forças superiores (seja lá como você os chama aqui). Os valores mudam como em um caleidoscópio e damos a avaliação da situação e o estabelecimento de regras de conduta aos outros. O planeta está inundado com um oceano de máscaras usadas, mas é uma “pandemia”.

O mais estranho foi as últimas férias. De repente, a razão para se vacinar não era a segurança, mas a capacidade de viajar ou manter um emprego. E essa evasão nas ruas de turistas vacinados (afinal!). Os velhos tesouros foram agora substituídos por um passaporte ívido – afinal, esta é a coisa mais valiosa para proteger. Por outro lado, assustava os aposentados com o dilema de conhecer seus netos com segurança durante as férias.

O sentimento de isolamento é abafado por notícias subsequentes da mídia “independente”, embora nenhuma gota de paz seja derramada com eles. Ficamos sozinhos com a necessidade de “explicar este mundo, mas também ter a oportunidade de experimentar este mundo e conhecer o ponto de vista de outras pessoas além de nós”. 

Continuamos com ansiedade moral.

ps. de filmes poloneses sobre o mundo em que vivemos, recomendo o filme de 2020. “ENTRE OS OLHOS”

*fonte de imagem: imagem PIRO4D de Pixabay

Leave a Reply